• Início
  • Jogos
  • Minecraft é usado por empresas para planejar espaços públicos em Gaza
[adsforwp id=”10000030″]

Minecraft é usado por empresas para planejar espaços públicos em Gaza

[adsforwp id=”10000031″]

Desde o seu lançamento em 2009, a febre mundial que conhecemos como “Minecraft” vem ajudando cada dia mais em vários aspectos, sejam eles para diversão de usuários, exploração da criatividade no campo educacional e até mesmo o uso para projeção de construções reais.

Minecraft serve bastante como uma ferramenta de design para alguns arquitetos, dos quais, desejam criar possíveis construções que em algum momento se tornaram reais e públicas.

Espaços públicos de Gaza são planejados dentro de Minecraft

Foi inaugurado em 31 de Dezembro de 2018, o primeiro espaço público de Gaza, a cidade palestina que foi constantemente alvo de guerras nos últimos anos.

O espaço público teve o seu planejamento totalmente feito através do game Minecraft.
O espaço público teve o seu planejamento totalmente feito através do game Minecraft.

Nasceu de uma parceria e colaboração entre a agência U.N Habitat (o programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos), a gigante da tecnologia Microsoft e a Mojang (empresa que foi responsável pela criação do Minecraft), a fundação conhecida por Block By Block (ou também Bloco por Bloco).

Uma fundação que ajuda a construir, a Block By Block

A fundação Block By Block possui com determinação o objetivo de realizar a melhora para áreas mais marginalizadas de Gaza, incentivando e fazendo com que os participantes da comunidade façam a cração de projetos públicos usando como ferramenta principal o game.

O que é exatamente esse projeto realizado?

Até mesmo já explicado pela iniciativa em seu site oficial para o projeto, o game “Minecraft” é uma ferramenta de criação fácil de ser manuseada, assim pessoas de toda as idades, áreas, históricos e níveis educacionais podem facilmente adquirir o conhecimento de como utilizar o jogo Minecraft em prol de algo positivo.

Essa é uma maneira extremamente efetiva e barata para poder visualizar os espaços em três dimensões, da projeção da área pública que seria feita pelos engenheiros. Com o objetivo de criar uma área totalmente estilizada por um jogo eletrônico, Minecraft já foi usado bastante vezes em certos projetos com o intuito de realizar projeções de locais reais para se trabalhar melhor a possibilidade e em Gaza é a primeira vez que tal ferramenta se tornou tão útil.

É possível usar o jogo para ajudar moradores dos bairros a modelar as suas casas, fazer com que seja possível visualizar as possibilidades que os cercam, assim como expressar mais ideias, elaborar o consenso e acelerar todo o progresso para reestruturação do local em questão. 

Local em que o projeto está sendo exercido

Todas as áreas que são devidamente escolhidas para o projeto, são as áreas mais marginalizadas e sem opção alguma para entretenimento e lazer do povo, ou seja, as mais abandonadas e também consideradas sem vidas para as necessidades humanas.

Áreas que estão sendo salvas pela iniciativa do Block By Block

Todos os participantes deste projeto realizado em Gaza, foram selecionados por uma outra associação independente e não governamental, a AISHA (Associação para Proteção de Mulheres e Crianças).

A AISHA também é uma parceira do projeto Block By Block, que visa conseguir, através de muito trabalho, a reintegração de gênero em Gaza. 

A ONU já informou que um número de aproximadamente 17 mil pessoas tiveram participação do Block By Block em mais de 100 países, incluindo também os três projetos em Gaza.

Projetos de Gaza e seus novos parques 

Uma das áreas mais conhecidas pelo o uso do projeto do Block By Block são Al-Shoka e Beit Lahia.

Al-Shoka

Áreas que eram mais marginalizadas e sem opções de lazer para os moradores de Gaza.

Créditos: UN-Habitat/Reprodução
Créditos: UN-Habitat/Reprodução

Beit Lahia

O Beit Lahia foi transformada em um colorido e inclusivo parque comunitário após reestruturação que foi planejada com ajuda do Minecraft.

Credit: UN-Habitat
Credit: UN-Habitat

Esses são os dois locais mais marginalizados na Faixa de Gaza e que eram marcados fortemente pela sua característica de não possuir serviço público algum e também áreas verdes abertas ao povo, já que os riscos de Guerras eram constantes na maioria das áreas da Faixa de Gaza, sendo assim, era quase que impossível poder trabalhar de forma segura ou até mesmo ter o mínimo de lazer para os morados e todo o povo do local.

Esses espaços receberam um workshop de ensino para adquirir uma maior gama de opiniões dos residentes que moram nos locais a fim de gerar mais propostas de design para o trabalho dos Arquitetos, afinal, nada melhor do que a opinião dos próprios moradores para estruturar o lar deles da melhor forma possível sem que não seja feito a falta de nada.

Competições entre participantes de forma saudável

Já mesmo por volta do segundo dia, os participantes envolvidos no projeto que nunca antes haviam jogado um jogo eletrônico na vida, começaram a se tornar mais e mais competitivos para fazer o desenvolvimento das áreas urbanas de Gaza para apresentar para o projeto que envolve o Minecraft, mas isso claro é uma competitividade sadia, pois a intenção dos alunos é de impressionar as pessoas ao redor deles no projeto.

Os grupos com bastante trabalho árduo para desenvolver as áreas de lazer, chegou a conclusão de que a maior necessidade para isso são de iluminação pública, seguranças com postos avançados de polícia além de contar com áreas separadas para famílias e mulheres também. Isso leve a lembrar que nessas áreas do Oriente Médio, a cultura costuma separar as mulheres dos homens, fazendo assim uma maior necessidade de uma área que seja reservada mais para mulheres e suas crianças ou apenas garotas em geral.

E para as boas notícias, o parque realmente foi se tornando real graças a ajuda de três arquitetas da Palestina. Uma delas, a renomada arquiteta Tasneem Omar, fez um desenho que esquematiza bem e se baseia no trabalho do grupo de jovens selecionados e com isso passou tudo para a empreiteira encarregada do projeto.

Praticamente tudo feito pelo grupo de estudantes jovens foi usado neste projeto, em outras palavras, o esforço apresentado por eles foi bastante útil e que ajudou bastante toda a Gaza com tamanha serventia usando apenas um jogo eletrônico que tem como público alvo crianças, é realmente algo inovador, ainda mais para o próprio Oriente Médio, com um salto tecnológico considerável por fazer um bom uso do jogo como ferramenta de aprendizado.

A participação dos mais jovens no projeto

Já nos primeiros dias, foi notado a rápida empolgação e competitividade entre os participantes, alguns nunca haviam sequer jogado um vídeo-game na vida, mas ainda sim a experiência foi intuitiva e bastante didático como já dito acima, mas sempre ressaltando que a participação dos jovens foi extremamente útil e saudável.

Após as mais diversas ideias, esse grupo chegou a conclusão de que as medidas  de segurança eram a maior prioridade para o projeto. Iluminação, cercas, áreas separadas para as mulheres e seus familiares e até mesmo uma vigilância local.

Minecraft é um jogo eletrônico sandbox de sobrevivência criado pelo desenvolvedor sueco Markus “Notch” Persson e posteriormente desenvolvido e publicado pela Mojang Studios, cujo foi obtida pela Microsoft em 2014. Lançado inicialmente em maio de 2009 como um projeto em desenvolvimento, seu lançamento completo ocorreu em novembro de 2011 para Microsoft Windows, macOS e Linux, sendo posteriormente relançado para uma ampla variedade de plataformas.

Para ficar ligado em mais curiosidades sobre Minecraft e o mundo dos jogos em geral, sigam nossas redes sociais do Instagram, Facebook e também Twitter. Mais post de Minecraft em nosso site.

[adinserter block=”3″]
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O Fliperama

Mídia especializada em Games

O Fliperama 2021 - Uma empresa MediaZ